Relato do encontro do dia 24.10.2013

Nesse encontro de Práticas & Narrativas contamos com a participação da Mayara, para falar da experiência da Assembléia do Largo, e de Alessandro, falando da experiência da Frente Independente Popular. Os participantes apresentaram os movimentos/coletivos dos quais fazem parte, falando um pouco do histórico de surgimento, forma de funcionamento e objetivos. Em seguinda, foram debatidos temas como: métodos de diálogo e ação dos coletivos, falência do modelo baseado em representação, sentimento de unidade como o que mantém os coletivos apesar das divergências internas, dificuldade de ter um consenso entre todos os membros do coletivo, caminhos para a revolução, infiltração e vigilância policial dentro dos coletivos, o papel da psicologia no promoção de práticas autogestionárias (e a parte que cabe à análise institucional e/ou à esquizoanálise nisso) e seletividade da democracia segundo classes sociais.

Depois de cerca de duas horas de debate, entramos na discussão dos grupos de trabalho. Ficou definido que no próximo encontro (31/10) iremos manter parcialmente a assembléia prevista, para que aqueles que não tiveram a oportunidade de participar da última (realizada por necessidade sentida no encontro do dia 17/10) tenham a oportunidade de se manifestar e trazer suas questões. Nesse dia, o texto previsto acabou não sendo propriamente discutido. Também sentimos falta de uma discussão mais dedicada aos textos sugeridos para o encontro de hoje. Considerando essa como uma lacuna, foi decidido que a bibliografia dos dias 17 e 24/10 deverá ser retomada na primeira metade do próximo encontro (31/10). Com relação à distribuição dos textos entre as pessoas, achamos que seria importante que cada texto tivesse pelo menos uma pessoa responsável por trazer seus principais argumentos para o debate. Essa distribuição será feita espontâneamente por afinidade das pessoas com os textos. Além disso, foi modificado o calendário, ficando o dia 21/11 para Práticas & Narrativas. Para esse dia eu devo confirmar a presença de um participante da ecovila Terra Una e de uma cooperativa de produtoras de pão de Duque de Caxias. Decidimos deixar em aberto se a programação deveria ser invertida (deixando para o dia 28/11 a assembléia prevista para o dia 21) ou modificada (ficando três P&N em sequência, devido à proximidade com a assembléia final), para ser discutido ao longo dos próximos encontros a necessidade de duas assembléias tão próximas (uma no dia 28/11 e outra no dia 12/12).

Relato da reunião da disciplina Práticas Autogestionárias 22.08.2013

Começamos a reunião com o informe do Francisco, sobre a sala da disciplina. Ao alocar um sala do condomínio fora do Instituto de Psicologia para uma disciplina, o SIGA “trava” a inscrição ao atingir a lotação. Inicialmente havíamos estipulado 45 vagas daí a reserva da sala 8 do anexo da Escola de Serviço Social. Uma vez que ampliamos o número de vagas para 90, Portugal, conversando com Fred, encontrou a sala 09 do Instituto de Psicologia disponível, com capacidade de 50 alunos permitindo a abertura de 29 inscrições pelo SIGA considerando as 21 inscrições diretas já efetivadas. Entretanto, somados os alunos de extensão e de inscrição direta, ultrapassamos em muito a capacidade máxima da mesma: 55. Estamos atualmente na busca de outros espaços, como a sala 02, 07, 08 do IP, ou um dos auditórios da Escola de Serviço Social, ou o próprio Teatro de Arena. Após este informe, levantamos pontos de discussão e suas respectivas propostas.

Sobre as atividades do Grupo de Trabalho (Metodologia, Processos e afins) entendendo que as ações do GT serão concomitantes à própria disciplina e que elas fazem parte do próprio processo da disciplina, foi sugerido que destinássemos uma parte do tempo de aula para o encontro do GT. Neste sentido, das 13:00 às 15:30 teríamos aula normal; e das 15:30 até as 16:30 reservaríamos para o GT. Não ficou claro se esta separação teve consenso.

Sobre o material da apresentação da disciplinaBruno Pizzi apontou para a discrepância em que se encontrarão os alunos a) que estiveram construindo a disciplina desde o começo (junho de 2013), b) os que entraram no meio do percurso (julho e agosto de 2013) e c) os que vierem por meio das inscrições (SIGA e extensão). No intuito de nivelar estas posições e horizontalizar o conhecimento da disciplina, foi proposto que elaborássemos um texto relatando seu histórico, suas “condições de possibilidade”, sua idealização, seu trajeto, etc.  Além de conter o relato do Antonio Costa publicado no blog (como uma possível fonte de material), o texto incluiria também o programa da disciplina e tudo que contribuísse para uma contextualização. O GT comunicação, composto por Bruno, Francisco e Pedro, ficou responsável por coordenar esta atividade.

A fim de que tenhamos conhecimento dos participantes, estabelecemos que solicitaremos aos inscritos – por meio de um formulário – que apresentem as razões de sua participação no curso e sua experiência com autogestão. O GT comunicação elaborará um formulário e enviará para todos os inscritos e interessados e compilará as informações para que sejam acessíveis pelo blog e levadas ao primeiro dia de aula.

O que deveria estar presente no 1º dia de aula objetivo principal desta reunião, listamos os itens que comporiam o programa de nosso primeiro encontro. Os “pontos guia” eram: apresentação do curso, texto relatando o percurso da disciplina (citado acima), calendário, textos (quais seriam) e xerox (onde estariam), a inserção de todos os integrantes no blog – como seguidores – e uma apresentação do mesmo, haja visto que decidimos utilizá-lo como único veículo da matéria.

A dinâmica da apresentação cientes de que havia muito que fazer em pouco tempo, nossa preocupação voltou-se a como organizar os itens propostos. Clara Camatta sugeriu uma divisão do encontro em dois momentos e após demarcarmos seus limites, a proposta foi acolhida por unanimidade. Segue abaixo um esboço do programa:

1º Momento (13:00 as 14:30) – apresentação do curso; apresentação dos integrantes; apresentação da proposta do curso e do blog.

2º Momento (14:30 as 16:30) – divisão da turma em pequenos grupos para a discussão do percurso que faremos; assembleia geral para decidir o percurso.

Quanto à avaliaçãoeste item gerou muito debate mas nenhuma proposta foi acatada e consensuada.

O calendário neste momento, já com o avançado do encontro, faltava fixar as datas das assembleias, o número de aulas para cada eixo* e a relação deste formato com a avaliação, ainda por decidir. Para melhor visualização, iniciamos com uma visão geral das datas disponíveis no semestre. Reconhecemos que estávamos cansados e julgamos que melhor seria parar naquele ponto, postergando as questões pendentes para a próxima reunião. Desta forma, o calendário  abaixo serve como base e apresenta lacunas devendo ser novamente manipulado.

Setembro

5 – Assembleia.
12 – 1. Material teórico.
19 – 1. Material teórico.
26 – 1. Material teórico.

Outubro

3 – JIC (Jornada de Iniciação Científica – Não haverá aula.
10 – 1. Material teórico.
17 – 1. Material teórico.
24 – Assembleia.
31 – 2. Autogestão e contemporaneidade.

Novembro

7 – 2. Autogestão e contemporaneidade.
14 – 2. Autogestão e contemporaneidade.
21 – Assembleia.
28 – 3. Práticas e narrativas.

Dezembro

5 – 3. Práticas e narrativas.
12 – Assembleia.
19 – Dia reserva.

* blocos que servirão para delinear o caminho do curso – ainda que propenso a alterações.

 O que ficou para a próxima reunião rever o calendário, definir o conteúdo programático e a avaliação da disciplina.

Presentes: Ruan Rocha, Rodrigo Bodão, Bruno Pizzi, Clara Camatta, Francisco Portugal, Thiago Colmenero, Arthur Arruda, Bruno Foureaux, Antonio Costa, Clara Buoro, Rudy Gertners, João Batista, Will Penna, Natasha Iane, Pedro Legey.